lai

Secretarias e Órgãos

Telefones úteis

Redes Sociais

Página Inicial Notícias Orientação especializada esclarece mitos da amamentação
voltar imprimir
Aumentar texto Diminuir texto
Orientação especializada esclarece mitos da amamentação
Qua, 19 de Agosto de 2020 15:39

Foto_principal_com_citação.jpg

 

Buscar orientação foi fundamental para que Milena Fontes, 37, esclarecesse dúvidas e superasse os desafios da amamentação. Durante a primeira gestação, a administradora conseguiu amamentar a primogênita Lara, 3, por um ano. Há um mês, ela deu à luz o caçula Kauê e procurou ajuda novamente. Dessa vez, no Banco de Leite Humano do Hospital Geral de Fortaleza (HGF), da Secretaria da Saúde do Ceará (Sesa), do Governo do Estado.

A mãe conta que recorreu ao serviço após o filho perder muito peso nos primeiros cinco dias de vida e ouvir que o leite dela era fraco.“Sempre tem alguém para falar que seu leite é pouco ou fraco e isso é mito. Eu confiei na orientação das profissionais do Banco de Leite. Toda mãe tem capacidade de amamentar o seu filho. Por isso, não desisti”, alertou. A administradora recorda que, desde a primeira experiência com a amamentação, já escutava muitos mitos e, por isso, decidiu se informar com profissionais especializados.

Dúvida recorrente entre as mães que procuram o Banco de Leite do HGF, a suposta baixa quantidade e a má qualidade do leite são, também, os principais mitos que envolvem a amamentação. “A gente sempre orienta que a mãe observe a fralda do bebê e veja se há bastante xixi. Se tiver, é porque o bebê está conseguindo mamar corretamente”. A dica é da enfermeira Eveline Costa, que chega a atender até dez ligações por dia de mães com os mais diversos questionamentos.

Foto_interna.jpg

A coordenadora da Comissão de Aleitamento Materno e enfermeira do Banco de Leite Humano do HGF, Ana Márcia Bustamente, lista outros mitos que envolvem a amamentação. “Muitas mães acham que devem determinar o horário que o bebê mama, amamentando apenas a cada duas ou três horas. Outro mito é que ela deve revezar a mama, trocando o bebê de peito no meio da mamada. Outra ideia bem difundida é a restrição no cardápio da mãe, sem ingestão de alimentos como chocolate, feijão ou frutas cítricas”, pontua.

Ainda de acordo com a enfermeira, a amamentação por livre demanda é a mais adequada. Ela acalma as mães, afirmando que, com o tempo, o próprio bebê vai criando uma rotina e determinando a distância entre uma mamada e outra.

Ana reforça que o leite do início da mamada mata a sede, hidrata, mas, no final da mamada, é que o bebê consegue atingir o leite gorduroso, que vai deixá-lo mais saciado. Por isso, nos primeiros dias da amamentação, durante a mamada, a criança deve ser amamentada em uma única mama, não havendo necessidade de alterná-la. Conforme o bebê vai crescendo, essa dinâmica pode mudar. Por último, a coordenadora defende que a mãe não precisa ter um cardápio restrito, podendo ingerir todos os tipos de alimento, desde que seja de forma equilibrada e sem excessos.

Hoje, Milena comemora o ganho de peso filho Kauê e conta que também se tornou doadora de leite, tudo graças à orientação da equipe do Banco de Leite Humano do HGF. “A disponibilidade da equipe na orientação por telefone e, depois pessoalmente, me deixou mais tranquila. Toda a atenção e o cuidado me deixaram à vontade para entrar em contato sempre que eu precisasse”, finalizou.

De janeiro a julho deste ano, o Banco de Leite Humano do HGF realizou 1.742 atendimentos individuais, por telefone ou em visitas domiciliares. No mesmo período, foram realizados, também, 777 atendimentos em grupo. É possível entrar em contato com o serviço pelo telefone 3101.3335, de segunda a sexta, das 8h às 16h.

Assessoria de Comunicação do HGF

Repórter/ Fotos: Marcia Ximenes

Artes gráficas: Jeorge Farias

 

 

 

 

Calendário

Outubro 2020
D 2a 3a 4a 5a 6a S
27 28 29 30 1 2 3
4 5 6 7 8 9 10
11 12 13 14 15 16 17
18 19 20 21 22 23 24
25 26 27 28 29 30 31