lai

Secretarias e Órgãos

Telefones úteis

Redes Sociais

Página Inicial Notícias Modelo de visita ampliada beneficia pacientes do HGF
voltar imprimir
Aumentar texto Diminuir texto
Modelo de visita ampliada beneficia pacientes do HGF
Qua, 15 de Maio de 2019 13:41

foto_banner_UTI_02.jpg

A atmosfera do Centro de Terapia Intensiva (CTI) ou da Unidade de Terapia Intensiva (UTI) é marcada por um delicado equilíbrio. Por um momento, o paciente está sozinho e cercado apenas por máquinas e por profissionais que trabalham incessantemente para reaver a rotina do indivíduo. Entretanto, apesar de toda a tecnologia e conhecimento empregados, o suporte psicológico e o apoio da família também são importantes para o paciente superar os momentos difíceis. Foi pensando nisso que o Hospital Geral de Fortaleza (HGF), da rede pública de saúde do Governo do Estado do Ceará, estabeleceu novas regras para visitação desses pacientes, ampliando o horário para oito horas diárias, sete horas a mais que o modelo anterior.

“Em 2015, profissionais do Hospital Moinhos de Vento, em Porto Alegre, realizaram um estudo com quase 300 pacientes que estiveram internados na UTI, em que avaliaram o impacto da visita estendida sobre alguns desfechos. Ao final desse estudo, puderam observar que o modelo de visita estendida esteve associado a uma redução em 50% na incidência de delirium, além de reduzir o tempo de internação na UTI. Sem contar o benefício emocional para pacientes e familiares, que não se consegue medir através de números, mas por meio dos relatos das pessoas”, destaca Carlos Augusto Ramos Feijó, médico intensivista do HGF.

A medida é uma proposta do Programa de Apoio ao Desenvolvimento Institucional do Sistema Único de Saúde (Proadi-SUS), através do Programa Melhorando a Segurança do Paciente em Larga Escala no Brasil, projeto do qual o HGF e outras quatro unidades geridas pelo Governo do Ceará fazem parte. O plano tem como objetivo orientar profissionais de saúde quanto às melhores práticas para o cuidado da segurança do paciente nos equipamentos que atendem pelo SUS. Ao todo, 120 hospitais do Brasil, entre públicos e filantrópicos, foram escolhidos para participar do projeto que visa reduzir, em até três anos, os casos de infecções relacionadas à assistência nas UTIs pela metade.

Boas práticas

Coordenador médico do Proadi-SUS no HGF, Feijó lidera uma equipe formada por profissionais de enfermagem, fisioterapia, psicologia, terapia ocupacional, serviço social, odontologia e administração que juntos desenvolvem o projeto dentro da instituição. O médico ressalta que a UTI do HGF intensificou a utilização de algumas rotinas de boas práticas, implantou checklists, bem como organizou diversos processos de trabalho já existentes, com o objetivo de oferecer um serviço de maior qualidade e segurança à população. Dentre estes processos, encontra-se a ampliação do horário de visitas.

“A visita estendida na UTI acontecia de forma experimental, somente quando o paciente apresentava algum grau de agitação é que nós trazíamos a família para dentro da unidade”, disse Feijó. Atualmente, é oferecida a opção de visita das 8h às 16h, para o familiar permanecer ao lado dele pelo tempo que tiver disponibilidade. “Lembrando sempre que o objetivo da visita estendida é beneficiar o paciente. Antes de entrar na UTI, o familiar conversa com a psicóloga, que passa as informações a respeito do funcionamento da UTI. Esta preparação é necessária porque se trata de uma rotina diferente tanto para o parente quanto para a equipe assistencial”, salientou o médico intensivista.

A auxiliar de departamento fiscal, Elizama Ferreira de Souza, 41, é mãe de Ana Carolina, de 15 anos. Ela conta que esteve “internada” junto com a filha, em decorrência de um tratamento de porfiria (doença que constitui um grupo de pelo menos oito doenças, herdadas e adquiridas, que ocorrem em decorrência da produção excessiva e do acúmulo de substâncias químicas que produzem porfirina – uma proteína responsável pelo transporte de oxigênio na corrente sanguínea, essencial para a produção de hemoglobina). A mãe explica a importância do acompanhamento integral no auxílio do tratamento.

“Esse acompanhamento que eu tive junto à minha filha foi muito importante e significativo para a recuperação dela. Eu como mãe percebi muito isso, pois a doença mexeu com ela. Então seria bom se essa iniciativa tivesse em todo canto, pois foi maravilhoso e eu só tenho a agradecer a toda essa atenção recebida. A gente fica mais segura com esse suporte, porque ninguém quer estar doente em um hospital”, relatou a mãe da adolescente.

A psicóloga Marta Léo, passou a integrar a equipe multiprofissional da UTI com o início do Proadi. A profissional explica que a família é de grande importância no acordar do paciente, para que ele se sinta acolhido. “Quando uma pessoa adoece, adoece uma família toda. A família traz um amparo muito grande, pois na UTI eles ficam sem a convivência do seio familiar. Essa é uma forma de criar a conexão família/hospital, no qual mostramos ao paciente que ele tem um vínculo externo para onde voltar ao se recuperar”, ressaltou a psicóloga.

Depois do período de internação na UTI e na enfermaria do HGF, sendo acompanhada por uma equipe multiprofissional que faz parte da clínica médica, Ana Carolina recebeu alta recentemente.

 

Assessoria de Comunicação do HGF
Débora Morais
(85) 3101.7086 
Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.

 

 

 

Calendário

Junho 2019
D 2a 3a 4a 5a 6a S
26 27 28 29 30 31 1
2 3 4 5 6 7 8
9 10 11 12 13 14 15
16 17 18 19 20 21 22
23 24 25 26 27 28 29
30 1 2 3 4 5 6